17/01/2017

Renascimento e Reforma

Entende-se por Renascimento um período histórico de grande prosperidade cultural que teve iníco por volta do final do século XIV. Começou em Itália mas difundiu-se rapidamente para norte. Aquilo que devia renascer eram a arte e a cultura da Antiguidade. Também se fala frequentemente de humanismo renascentista, porque o homem voltou a ser o centro de tudo, após a longa Idade Média, em que todos os aspectos da vida tinham sido interpretados à luz de Deus. O mote era: «Regresso às fontes!», e a fonte mais importante era o humanismo da Antiguidade.Tornou-se quase um desporto popular desenterrar esculturas e manuscritos da Antiguidade. Também se tornou moda aprender grego, o que levou a um interesse renovado pela cultura grega. O interesse pelo humanismo grego tinha também uma finalidade pedagógica: o estudo das disciplinas humanísticas proporcionava uma «formação clássica» que fomentava o desenvolvimento das «qualidades humanas». «Os cavalos nascem», dizia-se, «mas os homens não nascem, formam-se».

Houve três inventos de extrema importância para a época e para a evolução que se deu, no Renascimento - a bússola, a pólvora e a tipografia.
A primeira, a bússola, facilitava a navegação. Sendo, desta forma, uma importante condição para as grandes viagens de descobrimento. o que também era válido para a pólvora. As novas armas trouxeram aos europeus superioridade em relação às culturas americanas e asiática, mas a pólvora também teve uma grande importância na Europa. E a tipografia era importante para difundir as novas ideias do Renascimento. Ela contribuiu inclusivamente para que a Igreja perdesse o seu antigo monopólio como propaganda do saber. Posteriormente, seguiram-se novos instrumentos e novos recursos. Um importante instrumento, era, por exemplo, o telescópio. Criou condições completamente diferentes para a astronomia.
No Renascimento houve uma série de transformações no domínio cultural e económico. Um pressuposto fundamental foi a passagem de uma economia de subsistência para uma economia monetária. No final da Idade Média, desenvolveu-se nas cidades uma sólida manufactura e um comércio ativo de novas mercadorias que levaram a uma notável circulação de dinheiro e à criação de um sistema bancário. Deste modo, surgiu uma burguesia que alcançara pelo trabalho uma certa independência das condições impostas pela natureza. Aquilo que era necessário para viver comprava-se com dinheiro. Este desenvolvimento fomentou a iniciativa, a fantasia e a criatividade do indivíduo, ao qual foram colocadas exigências novas.

O Renascimento trouxe consigo uma nova concepção do homem. Os humanistas renascentistas tinham uma confiança totalmente nova no homem e no seu valor, o que estava em nítido contraste com a Idade Média, na qual se realçara apenas a natureza pecaminosa do homem. O homem foi então visto como um ser infinitamente grande e precioso. Uma das figuras principais do Renascimento foi Mirsilio Ficino. Ele afirmou: «Conhece-te a ti mesmo, ó estirpe divina em vestes humanas!». Outro, Giovanni Pico della Mirandola, escreveu uma oraçõa sobre a «dignidade do homem». O que vai contra a visão da Idade Média, em que tudo girava em torno de Deus. Já para os humanistas do Renascimento o ponto de partida foi o próprio homem.
No entanto, o humanismo do Renascentismo estava mais marcado pelo individualismo do que o humanismo da Antiguidade. Não somos apenas homens, somos também indivíduos únicos. Esta ideia deu origem a uma veneração do génio. O ideal tornou-se aquilo a que chamamos o homem renascentista, ou seja, um homem que se ocupa com todos os domínios da vida, da arte e da ciência. A nova concepção do homem também estava patente no interesse pela anatomia do corpo humano. Tal como na Antiguidade, começou-se a dissecar cadáveres para se descobrir como o corpo é constituído. O que foi importante tanto para a medicina como para a arte. Na arte, tornou-se novamente habitual representar o homem nu.
A nova imagem do homem levou a uma concepção de vida totalmente nova. O homem já não existia apenas para Deus. Deus também criara o homem em função do homem. Por isso, o homem podia alegrar-se com a vida presente. E uma vez que o homem se podia desenvolver livremente, tinha possibilidades ilimitadas. O seu objectivo era ultrapassar todos os limites, o que também diferia do humanismo da Antiguidade, estes haviam insistido na serenidade, temperança e auto-domínio. Os homens Renascentistas tinham a sensação de que o mundo despertara de novo. Surgiu então a consciência da época contemporânea e foi introduzida a designação «Idade Média» para o período entre a Antiguidade e a sua própria época. Iniciou-se uma época única de desenvolvimento em todos os domínios, na arte e na arquitectura, na literatura e na música, na filosofia e na ciência. Por exemplo, a Roma da Antiguidade, considerada «a cidade das cidades», passou de mais de um milhão de habitantes no seu auge, para cerca de dezassete mil em 1417. Para os humanistas, reconstruir Roma, tornou-se um objectivo cultural e político. A grande Basílica de S. Pedro foi erigida então sobre o túmulo do apóstolo Pedro. Não se podendo falar de moderação no caso da Basílica de S. Pedro. Vários nomes importantes do Renascimento empenharam-se na sua grandiosidade. Os trabalhos começaram em 1506 e só ficaram terminados cento e vinte anos, e só após outros cinquenta é que ficou terminada a Praça de S. Pedro.
Igualmente de sublinhar, foi o facto de o Renascimento ter levado a uma nova concepção da natureza, e de o homem sentir alegria em viver - e de não ver a vida na Terra apenas como preparação para a vida no céu. Isso deu origem a uma posição totalmente nova em relação ao mundo físico. A natureza já era tida como positiva. Muitos acreditavam também que Deus estava presente na Criação. Ele é infinito e, nesse caso, também tem de estar em toda a parte. Esta concepção é designada por panteísmo. Os filósofos da Idade Média tinham apontado reiteradamente para o abismo insuperável entre Deus e a Criação. Agora, a natureza podia ser caracterizada como divina. No entanto, estas novas ideias nem sempre foram aceites com simpatia, como mostra o caso trágico de Giordano Bruno. Bruno não afirmava que Deus estava presente na natureza, o que ele afirmava era que o universo era infinito, e por isso veio a morrer na fogueira no ano de 1600. Mas durante o Renascimento também se desenvolveu aquilo que poderá ser designado como o «anti-humanismo», isto é, um poder autoritário da Igreja e do Estado. Durante o Renascimento, também houve processos contra bruxas e autos de fé, magia e superstição, guerras de religião sangrentas - e ainda a conquista brutal da América.

Foi no Renascimento que surgiu o novo método cientifico, que era, sobretudo, de investigar a natureza com os sentido. Já deste o século XIV , cada vez mais pessoas criticavam a confiança cega nas autoridades antigas. Essas autoridades eram tanto os dogmas da Igreja como a filosofia natural de Aristóteles. Também se negou que um problema se pudesse resolver apenas por reflexão. Esta confiança na importância da razão predominara durante toda a Idade Média. Dizia-se que a investigação da natureza tinha de se basear na observação, na experiência e na experimentação - método empírico. Na Antiguidade, também se fez ciência empírica , e Aristóteles fez muitas experiências importantes para o conhecimento da natureza. Mas experimentação sistemática era algo de novo. Foi particularmente realçada a importância de exprimir as observações científicas numa linguagem matemática exacta. «Deve medir-se aquilo que pode ser medido, e tornar mensurável o que não pode ser medido», segundo Galileu Galilei, um dos cientistas mais importantes do século XVII. Afirmou também que o livro da natureza estava escrito em caracteres matemáticos.
A primeira fase do novo método cientifico, que possibilitou a revolução técnica, e o desenvolvimento técnico possibilitou todas as invenções que se realizaram desde então. Pode-se dizer que os homens começaram a libertar-se das imposições da natureza. O homem já não era apenas uma parte da natureza. A natureza era uma coisa que podia ser usada e explorada. «Saber é poder», afirmou o filósofo inglês Francis Bacon, com que tentava chamar a atenção para a utilidade prática do saber, o que era algo de novo. Os homens começaram a intervir na natureza e a dominá-la.

Também durante o Renascimento surgiu uma nova concepção do mundo. Durante toda a Idade Média, os homens olharam para o sol e para a lua, estrelas e planetas, mas ninguém duvidara de que a Terra fosse o centro do universo. Nenhuma observação introduzira a dúvida de que a Terra estava imóvel e os «corpos celestes» circulavam em seu redor. Esta concepção tem a designação de teoria geocêntrica do universo. A ideia cristã de que Deus governa todos os corpos celestes também contribuiu para que esta concepção do universo se mantivesse por um período tão prolongado. Mas, em 1543, foi publicada uma obra intitulada Seis livros sobre as revoluções das esferas celestes, escrita pelo astrónomo polaco Copérnico que morreu no próprio dia em que a obra foi publicada. Copérnico afirmava que não era o sol que girava à volta da Terra, mas oposto. Achava-o possível com base nas observações dos corpos celestes que havia até então. Se os homens tinham acreditado que o sol girava à volta da terra, era, segundo ele, apenas porque a terra girava sobre o seu próprio eixo. Apontou para o facto de todas as observações dos corpos celestes serem muito mais fáceis de compreender se se pressupuser que a terra e os outros planetas se movem em trajetórias circulares à volta do sol. Esta concepção designa-se de teoria heliocêntrica do universo, que significava que tudo girava em torno do sol.
Já deste o tempo de Platão, que a esfera e o círculo eram as esferas geométricas mais perfeitas. Mas no início do século XVII, o astrónomo alemão Johannes Kepler conseguiu apresentar os resultados de observações pormenorizadas que provavam que os planetas se moviam em trajetórias elípticas à volta do sol. Provou também que os planetas se movem tanto mais rapidamente quanto mais próximos estão do sol. Galileu Galilei, que viveu aproximadamente na mesma altura que Kepler, observava os corpos celestes com o telescópio. Estudou as crateras na lua, verificando que existiam aí montes e vales, tal como na Terra. Descobriu igualmente que Júpiter tem quatro luas. E, mais importante, foi a descoberta de Galileu, da lei da inércia. Posteriormente, o físico inglês Isaac Newton, que viveu entre 1642 e 1727, deu a descrição definitiva do sistema solar e dos movimentos dos planetas. Não descreveu apenas o como os planetas se movem à volta do sol, mas também explicou o porque é que o fazem. Newton também formulou a chamada lei da Gravitação Universal.

E, finalmente, o Renascimento trouxe consigo também uma nova concepção de Deus. À medida que que a filosofia e a ciência se separavam da teologia, surgiu uma nova religiosidade cristã. Começou então o Renascimento com a sua nova concepção do homem, e isso também foi importante para a prática religiosa. Mais importante do que a relação com a Igreja como instituição, tornou-se a relação pessoal do individuo com Deus. Na Igreja Católica da Idade Média, a liturgia latina da Igreja e as suas orações tinham formado a verdadeira coluna vertebral do culto religioso. Apenas os sacerdotes e os monges liam a Bíblia, porque esta só existia em latim. Mas durante o Renascimento a Bíblia foi traduzida do hebraicao e do grego para as línguas populares para a Reforma, onde Martinho Lutero teve um importante papel, mas não foi o único reformador. Também havia reformadores na Igreja que, apesar de pertencerem à Igreja Católica Romana, queriam agir. Um deles era Erasmo de Roterdão. Para Lutero, o homem não precisava de fazer o desvio pela Igreja ou pelos seus sacerdotes para obter o perdão de Deus. E o perdão de Deus não estava dependente de uma quantia para a indulgência paga à Igreja. O chamado tráfico de indulgências também foi proibido na Igreja Católica em meados do século XVI. Lutero distanciou-se de um modo geral de muitos costumes religiosos e dogmas que a Igreja desenvolvera na Idade Média. Ele queria voltar ao cristianismo original tal como se encontra no Novo Testamento. Traduziu a Bíblia para o alemão, criando as bases para a língua escrita do alemão padrão.
Uma característica típica do Renascimento era a importância que se dava ao individuo e à sua relação pessoal com Deus. O facto de a língua popular substituir o latim também era típico do renascimento. Mas Lutero não era um humanista como Ficino ou Leonardo da Vinci. Alguns humanistas como Erasmo de Roterdão, criticaram-no devido à sua concepção demasiado negativa do homem. Lutero sublinhou nomeadamente que o homem estava completamente corrompido pelo pecado original e a humanidade só podia ser salva através da graça divina.







Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...