31/10/2016

Importância


Não há nada de mais absurdo que a própria vida.

Existe apenas para se perpetuar, num enorme ciclo. Por mais que o Homo sapiens ache que é importante, e que preencha a sua vida com "coisas importantes", a verdade é que é puro egocentrismo e ilusão. Pergunte-se a todas as outras espécies se acha a existência do H. sapiens importante, por elas até seria melhor que nem existíssemos.

Vivemos para a vida e a vida existe para a vida. Somos reféns deste ciclo vicioso.

Criamos sonhos, fantasias de propósitos, de finalidades, numa tentativa de preencher este vazio. De evitarmos ver este eterno absurdo.

Levantamo-nos de manhã, preenchemos o dia, a semana, o mês, o ano... Um longo solitário - ou curto. A verdade é que o Homem tem a tendência a fazer planos, criando-lhes raízes numa vida vazia por si mesma, quando bem pode não viver sequer a próxima noite. E quando vive esses planos, que tão bem esquematizou, sente-se vazio... Porquê? Porque não são nada para além de passatempos, não têm qualquer importância, são uma ilusão.

Tal como a nossa existência. Só mesmo pela nossa arrogância é que achamos que somos algo de importante, tanto como espécie, quanto como indivíduos.

E, no entanto... aqui está este eterno instinto a criar ilusões de forma a que a Vida perpetue a Vida.

De manhã levantamo-nos, ocupamos o dia, a semana, o mês, o ano... e depois acabou, e passado algum tempo, esquecidas as memórias, levadas pelo vento do tempo, a existência nunca foi.

Não tem importância.



Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...