06/06/2016

Homo habilis

Esta espécie, um dos primeiros membros do género Homo, que viveu há aproximadamente 2,1 a 1,5 milhões de anos atrás, durante o Pleistoceno, na África. Tem um crânio ligeiramente maior e uma face e dentes menores do que os Australopithecus ou que outras espécies de hominídeos mais antigas. No entanto, ainda mantém algumas características mais simiescas, incluindo braços longos e uma face moderadamente prognática.
O seu nome, que significa "homem habilidoso", foi-lhe atribuído em 1964, pois pensava-se, na altura, que seria o primeiro fabricante de ferramentas de pedra. Atualmente, o utensílio de pedra mais antigo que se conhece, é anterior à época do Homo habilis.
Foram encontrados fósseis desta espécie na Tanzânia, Etiópia, Quénia e África do Sul.

A descoberta do Homo habilis deu-se por uma equipa liderada pelos cientistas Louis e Mary Leakey descobriram os restos fossilizados de um único, foi encontrado por Jonathan Leakey humano primitivo, entre 1960 e 1963, em Olduvai George, na Tanzânia. O tipo do especimen, OH7, foi encontrado por Jonathan Leakey e alcunhado de "criança do Jonny". Porque este homem primitivo apresenta uma combinação de características diferentes das vistas no género Australopithecus. Louis Leakey, o cientista sul-africano Philip Tobias e o cientistas britânico John Napier declararam que estes fósseis pertenciam a uma nova espécie, e chamaram-na de Homo habilis, porque suspeitavam de que este seria o humano detentor de um crânio ligeiramente maior, que fabricara os milhares de ferramentas de pedra encontradas igualmente em Olduvai George.

Os Homo primitivos tinham dentes mais pequenos que o Australopithecus, mas o seu esmalte dentário continuava a ser grosso e as mandíbulas fortes, indicando que os seus dentes continuavam adaptados à mastigação de alimentos duros (possivelmente de forma sazonal, quando os seus alimentos favoritos eram mais escassos). Os estudos do gasto micro-dentário sugerem que a dieta do H. habilis era flexível, versátil, e eles eram capazes de ingerir uma variedade vasta de alimentos, incluindo alguns mais duros como folhas, plantas lenhosas e alguns tecidos de animais, mas que não os consumiam regularmente, nem se especializaram em consumir alimentos duros como nozes quebradiças ou sementes, carne seca, ou tubérculos muito duros.
Outra linha de evidência para a dieta do H. habilis vem das marcas e cortes encontrados em ossos de há 2,6 milhões de anos atrás. Os cientistas associam, geralmente, estes traços à matança de grandes animais, uma evidência directa do consumo de carne e medula, no início do aparecimento do género Homo, incluindo o Homo habilis. Muitos cientistas pensam que os primeiros Homo, incluindo esta espécie, fabricaram e usaram as primeiras ferramentas de pedra encontradas no registo fóssil, no entanto, esta hipótese é confrontada com o facto de outras espécies de humanos primitivos viverem na mesma época, na mesma área geográfica, onde as primeiras ferramentas de pedra foram encontradas.
Os cérebros do H. habilis eram grandes, entre os hominídeos, com 550 a 680 centímetros cúbicos, e as mãos, ágeis e firmes, eram muito úteis para a vida nómada no leste de África.
Apesar de serem uma das espécies mais antigas parecidas com o humano atual, os seus braços e antebraços Australopithecus. No entanto, o volume craniano do H. habilis é bastante superior ao dos Australopithecus, a testa caracteriza-se por uma maior verticalidade, os cumes da testa, assim como o rosto e as mandíbulas são, igualmente, menos salientes. Os dentes caninos, molares e pré-molares apresentam também dimensões menores, as pernas são relativamente longas, os ossos dos pés mostram uma evolução mais parecida com os dos humanos atuais, o hálux (dedo grande do pé) alinhado com os outros e a formação do arco na sola do pé, formado por ossos e reforçado pelos tendões e ligamentos, permitindo suportar o peso do corpo e atuando como amortecedores durante a caminhada bípede. As mãos do H. habils são uma mistura entre os géneros Australopithecus e Homo, as falanges (ossos dos dedos), os ossos do punho e os locais de fixação dos tendões assemelham-se aos dos Australopithecus pois são robustos grossos e curvos, as palmas das mãos eram idênticas às dos humanos - estas características geram incerteza quanto à classificação da espécie.

eram proporcionalmente muito mais longos, a cavidade craniana menor e rústica, o alargamento dos ossos nos locais de fixação muscular das pernas e braços ainda adaptados a escaladas e a morfologia geral semelhante à dos
Os machos mediam cerca de 1,57 metros de altura e pesavam cerca de 55 quilogramas, enquanto que a atura média das fêmeas era de 1,20 metros e o peso 32 quilogramas, o que mostra um grande dimorfismo sexual.

Esta espécie, juntamente com o Homo rudolfensis, é um dos primeiros membros do género Homo. Muitos cientistas pensam que se trata de um ancestral das futuras espécies do Homo, possivelmente, no nosso próprio ramo da árvore genealógica. Nomear esta espécie requereu uma redefinição do género Homo (por exemplo redução do limite inferior do tamanho do cérebro), criando um debate enorme acerca da validade desta espécie.
Apesar dos cientistas costumarem pensar que o H. habilis era o ancestral do H. erectus. Descobertas mais recentes, de 2000, de um H. habilis relativamente antigo com 1,44 milhões de anos (KNM-ER 42703) e um H. erectus relativamente antigo com 1,55 milhões de anos (KNM-ER 42700) da mesma área, no norte do Quénia (Ileret, Lago Turkana) desafiou a visão convencional que estas espécies evoluíram uma após a outra. Contrariamente, esta evidência -juntamente com outros fósseis - demonstram que as espécies coexistiram na África Oriental durante meio milhão de anos. 


Ainda existem muitas questões por responder acerca desta espécie, entre as quais:

  • Encontrava-se o H. habilis na linhagem evolucionaria que viria a evoluir nas espécies Homo mais tardias e, talvez, na nossa própria espécie, Homo sapiens?
  • São de facto o Homo habilis e o Homo rudolfensis espécies diferentes, ou serão apenas variações de uma única espécie? Ou seria uma o ancestral da outra?
  • Se o Homo habilis não é o ancestral do Homo erectus, onde se encaixa na nossa árvore evolucionária?
  • O Homo habilis é um dos primeiros membros do género Homo. Haveria uma relação entre a origem deste género e a mudança climática - tanto com um aumento dos períodos de flutuações climáticas, ou com episódios maiores de arrefecimento global e seca, levando ao crescimento das pastagens C4?



Fontes
http://humanorigins.si.edu/evidence/human-fossils/species/homo-habilis
http://www.avph.com.br/homohabilis.htm

Sem comentários:

Enviar um comentário

Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...