19/04/2016

Cabo Verde


A República do Cabo Verde é um arquipélago constituído por 10 ilhas vulcânicas no centro do Oceano Atlântico. Localizado a 570 km da costa da África Ocidental, as ilhas combinadas cobrem uma área de pouco mais de 4.000 km2. Três delas (Sal, Boa Vista e Maio) são praticamente planas, arenosas e secas; as outras, na sua generalidade apresentam mais vegetação.
Os exploradores portugueses descobriram e colonizaram as ilhas, inabitadas, no século XV. Com uma localização ideal para o comércio de escravos do Atlântico, as ilhas obtiveram prosperidade e atraíram muitas vezes corsários e piratas, entre os quais Sir Francis Drake, um corsário a agir com uma carta de corso dada pela Coroa Britânica, e que saqueou por duas vezes a capital da altura, Ribeira Grande, em 1580. As ilhas foram também visitadas pela expedição na qual fazia parte Charles Darwin, em 1832.


O declínio do tráfego de escravos no século XIX levou a uma crise económica. Com poucos recursos naturais e um investimento inadequado por parte dos portugueses, o ressentimento dos cidadãos em relação aos senhores coloniais continuou a crescer, que apesar de tudo continuaram a recusar dar mais autonomia às autoridades locais.Um crescente movimento de independência (originalmente liderado por Amílcar Cabral, assassinado a 20 de Janeiro de 1973) passou para o meio irmão Luís Cabral, acabando na independência do arquipélago em 1975.
A população cabo-verdiano é maioritariamente crioula. A capital do país, Praia, contém cerca de um quarto da população de Cabo Verde, com 500.000 habitantes. Mais de 65% da população das ilhas vive em centros urbanos, e a taxa de alfabetismo ronda os 87% (91% nos homens com mais de 15 anos e 83% das mulheres também a partir dos 15 anos) segundo o censo de Cabo Verde de 2013.
Politicamente o país vive sob um regime democrático estável. O seu crescimento económico notável e melhoramento nas condições de vida apesar da falta de recursos ganhou o reconhecimento internacional, com outros países e organizações internacionais muitas vezes a providenciarem a ajuda ao desenvolvimento. Desde 2007 que o Cabo Verde foi classificado como um país em desenvolvimento.
Condições económicas difíceis durante as últimas décadas da sua colonização e nos primeiros anos da independência fizeram com que muitos cabo-verdianos emigrassem para a Europa, Américas e para outros países africanos. Atualmente estes émigrés e os seus descendentes são em maior número que a população em Cabo Verde. Historicamente, as remessas efetuadas por estes émigrés às suas famílias em Cabo Verde tem providenciado uma substancial contribuição à economia do país. No entanto, é mais improvável que as gerações mais tardias continuem a enviar dinheiro e, consequentemente, a economia atual de Cabo Verde está centrada principalmente para o turismo e investimento estrangeiro, que beneficiam do clima quente durante todo o ano, da paisagem diversificada e da riqueza cultural, especialmente na música.


Etimologia

O nome do país deriva do vizinho Cap-Vert, na costa senegalesa, que por sua vez foi originalmente denominado de Cabo Verde quando foi avistado pela primeira vez pelos portugueses, alguns anos antes das ilhas terem sido descobertas. A 24 de Outubro de 2013 foi anunciado nas Nações Unidas que o nome oficial deveria deixar de ser traduzido para outras línguas.

História

Antes da chegada dos europeus, as ilhas de Cabo Verde eram desabitadas. As ilhas do arquipélago do Cabo Verde foram descobertas por navegadores italianos e portugueses por volta de 1456.. De acordo com os registos oficiais portugueses, as primeiras descobertas foram feitas por um genovês, António de Noli, que mais tarde viria a ser nomeado como governador de Cabo Verde pelo reio de Portugal Afonso V. Também se atribui descobertas no arquipélago de Cabo Verde a Diogo Gomes, que estava com António de Noli e reivindicou ter sido o primeiro a desembarcar e nomear as ilhas de Santiago, Diogo Dias, Diogo Afonso e Alvise Cadamosto.
Em 1462, chegaram à ilha de Santiago  colonizadores portugueses e fundaram uma colónia que nomearam de Ribeira Grande (actual Cidade Velha). Ribeira Grande foi a primeira colónia europeia nos trópicos.
No século XVI, o arquipélago prosperou com o comércio de escravos transatlântico. O corsário inglês Sir Francis Drake saqueou Ribeira Grande em 1585. Após um ataque francês em 1712, a importância da cidade caiu para a vizinha Praia, que se tornou a capital em 1770.
Com o declínio do mercado de escravos, A inicial prosperidade de Cabo Verde foi desaparecendo. No entanto, a posição das ilhas no meio do Atlântico, tornou o arquipélago um local ideal para re-abastecimento. E devido ao seu excelente porto, Mindelo, na ilhão de São Vicente, tornou-se um centro importante de comércio durante o século XIX. 
Em 1951, Portugal mudou o estatuto de Cabo Verde de colónia para Província no Ultramar, numa tentativa de diminuir o nacionalismo em crescimento. Em 1956, Amilcar Cabral e um grupo de Cabo-Verdianos e Guienenses organizaram (na Guiné Portuguesa) o clandestino Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC). Exigiu melhoramentos nas condições politicas, económicas e sociais em Cabo Verde e na Guiné Portuguesa, o que, consequentemente, veio a formar a base para o movimento de independência das duas nações. Ao mudar a sua sede para Conakry, na Guiné, em 1960, o PAIGC começou uma rebelião armada contra Portugal em 1961 Os actos de sabotagem cresceram até eventualmente se tornarem numa guerra na Guiné Portuguesa, que opôs 10.000 soldados do PAIGC, apoiado pelo Bloco Soviético, contra 35.000 soldados portugueses e africanos.
Em 1972, o PAIGC controlava a maior parte da Guiné Portuguesa apesar da presença das tropas portuguesas, mas a organização não tentou romper o controle português em Cabo Verde. A Guiné Portuguesa declarou independência em 1973 e foi concedida independência de jure em 1974. Após a Revolução de 1974 em Portugal, o PAIGC tornou-se um movimento político atractivo em Cabo Verde. Em Dezembro de 1974, o PAIGVC e Portugal assinaram um acordo no sentido de providenciar um governo provisório composto por portugueses e cabo-verdianos. A 30 de Junho de 1975, os cabo-verdianos elegeram uma Assembleia Nacional que recebeu os instrumentos de independência de Portugal a 5 de Julho de 1975. Nos finais da década de 1970 e na década de 1980, a maior parte dos países africanos proibiu as vias aéreas sul africanas de percorrer os seus territórios, mas Cabo Verde deu autorização e tornou-se um centro de actividade para os vôos aéreos para a Europa e Estados Unidos.
Logo após o Golpe de Estado na Guiné-Bissau em Novembro de 1980, as relações entre Cabo Verde e esta tornaram-se tensas. Cabo Verde abandonou as suas esperanças numa unidade com a Guiné-Bissau e formou o Partido para a Independência de Cabo Verde (PAICV). Desde então os problemas têm sido resolvidos e as relações entre ambas as nações é boa. O PAIVC  e os seus predecessores estabeleceram um sistema de um único partido governativo, e têm governado Cabo Verde desde a independência até 1990.
Respondendo a uma cada vez maior pressão para uma democracia pluralistica, o PAIVC solicitou um congresso de emergência em Fevereiro de 1990 para discutir as alterações constitucionais propostas a fim de acabar com o governo de partido único. Os grupos de oposição juntaram-se para formar o Movimento Para a Democracia (MPD) na Praia em Abril de 1990. Juntos, juntos fizeram campanha pelo direito de contestar as eleições presidenciais marcadas para Dezembro desse ano.
O EStado de Partido Único foi abolido a 28 de Setembro de 1990 e as primeiras eleições multipartidárias deram-se em Janeiro de 1991. O MPD ganhou por maioria e o candidato do MPD António Mascarenhas Monteiro derrotou o candidato do PAICV com 73,5% dos votos.Em Fevereiro de 1996 o Presidente Monteiro voltou a ganhar as eleições. Nas eleições de 2001 o PAIVCV voltou ao poder.

Cabo Verde é uma República Democrática Representativa Semi-Presidencial e está entre as nações mais democráticas do mundo, com o 26º lugar segundo o Índice Democrático de 2012.
Cabo Verde segue uma política de não-alinhamento e procura relações cooperativas com todos os estados amigáveis. Angola, Brasil, China, Cuba, França, Alemanha, Portugal, Espanha, Senegal, Rússia, Luxemburgo e os Estados Unidos mantêm embaixadas na Praia. Cabo Verde mantêm-se activos nos Negócios Estrangeiros, principalmente em África. Mantém relações bilaterais com alguns países lusófonos e é membro de várias organizações internacionais. Participa, igualmente, na maior parte das conferências internacionais relativas a assuntos políticos e Económicos. Desde 2007 que Cabo Verde tem o estatuto de parceiro especial com a UE, sob o Acordo Cotonou.
A 10 de Outubro de 2011, Cabo Verde tornou-se o 119 estado que ratificou o Estatuto de Roma do Tribunal Criminal Internacional.
Cabo Verde é elogiado muitas vezes como um exemplo entre as nações africanas, devido à sua estabilidade e desenvolvimento, apesar da sua falta de recursos naturais.

Geografia

O arquipélago de Cabo Verde está localizado no Oceano Atlântico, acerca de 570 km da costa Ocidental Africana, perto do Senegal, Gambia e Mauritânia, e faz parte da eco-região Macaronésia. Encontra-se entre as latitudes 14º e 18º N e longitudes 22º e 26ª O.
O país é um conjunto de dez ilhas em forma de ferradura e oito ilhotas, que totalizam um área de 4033 km2.
As ilhas estão especialmente divididas em dois grupos:
  •  As ilhas Barlavento: Santo Antão, São Vicente, Santa Luzia, São Nicolau, Sal, Boa Vista
  • As Ilhas Sotavento: Maio, Santiago, Fogo, Brava
A maior ilha, tanto em dimensões quanto em população, na qual se encontra a capital do país, Praia, é Santiago.


Geografia física
Geologicamente as ilhas cobrem uma área combinada de pouco mais de 4.033 km2, e são principalmente compostas por rochas ígneas, com estruturas vulcânicas e detritos piroclásticos a comporem praticamente todo o volume do arquipélago.
 As rochas vulcânicas e plutónicas são nitidamente básicas; o arquipélago é uma província é uma petrográfica de carbonato de sódio alcalina, com uma sucessão petrológica que é semelhante à encontrada nas ilhas Macaronésias.
As anomalias magnéticas identificadas na vizinhança do arquipélago indicam que as estruturas que formam as ilhas datam de há 125-150 milhões de anos: as ilhas, po si mesmas, datam 8 milhões de anos (na parte ocidental) a 20 milhões de anos (na parte oriental). As rochas mais antigas expostas deram-se na ilha de Maio e no norte da península de Santiago e são almofadas de lava com 128-131 milhões de anos. A primeira fase de vulcanismo nas ilhas iniciou-se no Mioceno, e alcançou o seu pico no final deste período, quando as ilhas obtiveram o seu tamanho máximo. Vulcanismo histórico tem ficado restrito à ilha de Fogo.
Tem-se atribuído as origens do vulcanismo das ilhas a um ponto activo, associado com as ondas batriméticas que formam a Elevação de Cabo Verde. Esta Elevação é uma das maiores protuberâncias nos oceanos, chegando a 2,2 km numa região semicircular de 120 km2, associado a uma ascensão da geóide e elevação do fluxo de calor de superfície.
Pico de Fogo é o vulcão activo maior da região. Tem uma caldeira com 8 km, cuja borda tem uma altitude de 1.600 m e um cone interior que chega aos 2.829m acima do nível do mar. 
Nas ilhas de Sal e Maio encontram-se salinas extensas. Em Santiago, Santo Antão e São Nicolau, encostas áridas dão lugar a campos de canas de açúcar ou a plantações de banana que se espalham ao longo das bases montanhosas.

Clima
O clima de Cabo Verde é mais suave do que o da África Continental devido às águas de temperaturas moderadas que cercam as ilhas e às correntes frias Atlânticas que produzem uma atmosfera árida ao longo do arquipélago.
Por outro lado, o arquipélago não recebe as correntes frias que afectam a costa ocidental africana o que faz com que o ar seja mais frio, mas as águas mais quentes. Nas ilhas mais elevadas e de alguma forma mais húmidas, e exclusivamente nas áreas montanhosas, como a ilha de Santo Antão, o clima é apropriado ao desenvolvimento de floresta de monção seca. As temperaturas médias variam entre os 23 ºC  em Fevereiro aos 29 ºC em Setembro. Cabo Verde faz parte do cinturão árido Saheliano, sem os níveis de chuva da África Ocidental. Chove de forma irregular entre Agosto e Outubro, com frequentes chuvadas breves mas fortes. Define-se como deserto um terreno que receba menos de 250 mm de chuva anual. Cabo Verde recebe uma média de 265 mm, o que o coloca pouco acima e, logo, está definido como clima semi-desértico.
Sal, Boa Vista e Maio têm uma paisagem plana e um clima árido, as restantes são geralmente rochosas e têm mais vegetação. No entanto, devido à não frequência das chuvas, a paisagem na sua generalidade não é verde.  O arquipélago pode ser dividido em quatro zonas ecológicas: árida, semi-árida, sub-húmida e húmida, de acordo com a altitude e média anual de queda de chuva que varia entre os 200 mm nas zonas áridas da costa e os 1000 nas zonas montanhosas. A maior parte da precipitação é devida à condensação do vapor oceânico.

Devido à sua proximidade com o Saara, a maior parte das ilhas de Cabo Verde são secas, mas nas ilhas com montanhas altas e longe da costa, por orografia, a humidade é muito mais elevada, providenciando um habitat de floresta tropical, embora muito afectada pela presença humana.  As encostas do nordeste das montanhas altas recebem com frequência bastante chuva enquanto que as encostas do sudoeste não. Estas áreas umbrias são húmidas e frias. Algumas ilhas, com montanhas íngremes, estão cobertas com vegetação onde a humidade densa do oceano satura as plantas, rochas, solo, musgo, etc.
Refere-se muitas vezes aos furacões que se formam perto das Ilhas de Cabo Verde como os furacões tipo Cabo verde. Estes furacões podem tornar-se muito intensos à medida que vão atravessando as águas quentes do Atlântico.

Bioma
A isolação de Cabo Verde fez com que as ilhas tivessem várias espécies endémicas, principalmente de aves e répteis, muitas das quais encontram-se em perigo de extinção devido ao desenvolvimento humano. As aves endémicas incluem o Apus alexandri, a ardea purpurea bournei, a Alauda razae, o Acrocephalus brevipennis e o Passer iagoensis. As ilhas também são um local importante de reprodução. Os répteis incluem o Tarentola gigas.

Geografia humana
Cabo Verde está dividido em 22 concelhos e subdividido em 32 freguesias, baseadas nas paróquias religiosas que existiam durante a época colonial:
  • Ilhas do Barlavento
Ilha    
Concelho
 Santo Antão
Ribeira Grande; Paúl; Porto Novo
São Vicente / Santa Luzia
São Vicente
São Nicolau
Ribeira Brava; Tarrafal de São Nicolau
Sal
Sal
Boa Vista
Boa Vista

  • Ilhas de Sotavento
Ilhas
Concelho
Maio
Maio
Santiago
Praia; São Domingos; Santa Catarina; São Salvador do Mundo; Santa Cruz; São Lourenço dos Órgãos; Ribeira Grande de Santiago; São Miguel; Tarrafal
Fogo
São Filipe; Santa Catarina do Fogo; Mosteiros
Brava
Brava

Economia

Cabo Verde tem poucos recursos naturais.  Só cinco das dez ilhas principais (Santiago, Santo Antão, São Nicolau, Fogo e Brava) suportam normalmente produção de agricultura significativa, e mais de 90% de toda a comida consumida em Cabo Verde é importada. Os recursos minerais incluem o sal, a pozzolana (uma rocha vulcânica usada na produção de cimento) e pedra calcária. O pequeno número de vinícolas que produzem vinhos de estilo português estão geralmente focadas ao consumo interno, embora tenham tido alguma aclamação a nível internacional. Na Primavera de 2010 começaram a fazer-se algumas tours de vinho dos diversos micro-climas de Cabo Verde.
A economia do arquipélago está auto-orientado, com comércio, transportes e serviços públicos a contar com mais de 70% do PIB. Embora perto  de 35% da população viva nas zonas rurais, a agricultura e pescas contribuem apenas com cerca de 9% do PIB. A indústria ligeira conta praticamente com o resto. O pescado e o marisco são abundantes, mas são só exportadas pequenas quantidades. As remessas efectuadas por cabo-verdianos residentes no estrangeiro contribuem igualmente com uma boa percentagem do PIB. 
Apesar dos poucos recursos naturais, e do facto do arquipélago ser semi-desértico, o país tem os standards de vida mais elevados da região, e tem atraído milhares de imigrantes de diferentes nacionalidades.
Desde 1991 que o governo tem seguido políticas económicas orientadas para o mercado, incluindo uma maior abertura ao investimento estrangeiro e um programa vasto de privatizações. Estabeleceu como prioridade de topo a promoção de economia de mercado e o sector privado, o desenvolvimento do turismo, a industria ligeira e a pesca. Mas a par, também o desenvolvimento dos transportes, comunicações e instalações energéticas. Entre 1994 e 2000 foi investido ou planeado $407 milhões em investimento estrangeiro, dos quais 58% no turismo, 17% na industria, 4% nas infraestruturas e 21% na pesca e serviços.
Em 2011, foi construído um parque eólico em quatro ilhas que fornece 30% da electricidade do país. É um dos países no topo da classificação das energias renováveis.
Entre 2000 e 2009 o PIB Real aumentou numa média de mais de 7% por ano, abaixo da média dos países sub-saarianos mas superior à maior parte das economias de pequenas ilhas da região. O crescimento económico foi impulsionado pelo rápido crescimento da indústria turística mundial.
Em 2007, Cabo Verde juntou-se à Organização Mundial do Comércio e em 2008 o país passou País Menos Desenvolvido para País de Rendimento Médio.
Cabo Verde tem uma cooperação significativa com Portugal a todos os níveis económicos, o que levou a que a sua moeda se ligasse primeiramente ao escudo português e, em 1999, ao euro.

Desenvolvimento
A verba total da Comissão Europeu para o período de 2008-2013 para Cabo Verde tem como objectivo "a redução da pobreza, particularmente para áreas rurais e periurbanas onde as mulheres são as chefe de família, assim como a boa governação"  cujo montante é de 54,1 milhões de euros.

Turismo
 A localização estratégica de Cabo Verde a meio das linhas aéreas e marítimas do Oceano Atlântico tem sido melhorada por melhoramentos significativos no porto de Mindelo (Porto Grande) e nos aeroportos internacionais de Sal e Praia. Foi aberto um novo aeroporto na Boa Vista em Dezembro de 2007 e outro na ilha de São Vicente, nos finais de 2009. Também foram construídos aeroportos de menores dimensões nas ilhas desabitadas. E embora os maiores portos estejam localizados em Mindelo e Praia, todas as ilhas têm portos de menores dimensões. 
O turismo aumentou de forma significativa nos últimos anos. Foram construídos grandes hotéis ao longo do país numa tentativa de impulsionar o turismo. 

Demografia

Segundo o site da CIA, estima-se a população de Cabo Verde em Julho de 2014 em 538.535 habitantes, dos quais 71% são crioulos (mestiços), 28% africana e 1%  mestiça. A idade média da população é de 24 anos.
Estabeleceram-se em Cabo Verde estrangeiros de todo o mundo, incluindo asiáticos, sul americanos e de outros países da Europa. O arquipélago de Cabo Verde encontrava-se desabitado quando os portugueses o descobriram em 1456. Foram levados escravos africanos para as ilhas para trabalharem nas plantações portuguesas. Como resultado, os cabo-verdianos são mestiços, que misturaram origens africanas e europeias. Os antepassados europeus também incluem marinheiros espanhóis e italianos aos quais foi dada terras pelo Império Português, seguidos por colonos portugueses, exilados e judeus portugueses que foram vitimas da Inquisição. Muitos estrangeiros de outras partes do mundo estabeleceram-se em Cabo Verde de forma permanente. A maior parte deles era alemã, francesa, inglesa, árabe e judeus do Líbano e Marrocos, chineses (principalmente de Macau), Indianos, Indonésios, da América do Sul e brasileiros, em que todos foram absorvidos na população mestiça.
Uma vez que existe um elevado grau de mistura genética e étnica, como resultado de séculos de migrações, não é invulgar encontrar pessoas de pele escura e cabelo louro ou olhos azuis, e pessoas de pele clara e cabelo escuro.

Cerca de 95% da população é cristã, em que 85% é Romano Católica, embora para uma minoria, o catolicismo esteja sincretizado com influencias africanas. Existe uma pequena comunidade muçulmana e existem vários grupos de judeus em diversas ilhas. O número de ateus está estimado em cerca de 1% da população.

A língua oficial de Cabo Verde é o português. É a língua de instrução e do governo. No entanto, o crioulo de Cabo Verde é usado coloquialmente e é a língua-mãe virtualmente de todos os cabo-verdianos. Este crioulo (ou Kriolu) é um crioulo baseado no português. Existe uma literatura substancial em crioulo, principalmente no crioulo de Santiago e no de São Vicente. Esta língua tem ganho cada vez maior prestigio desde a independência de Portugal, no entanto, o facto de haver várias formas de crioulo, tem sido um grande obstáculo para a uniformização da língua.

Emigração/Imigração
Actualmente a maior parte dos cabo-verdianos vive no estrangeiro, com comunidades significativas nos Estados Unidos (500.000), Portugal (150.000), Angola (45.000), São Tomé e Príncipe (25.000), Senegal (25.000), França (25.000), Países Baixos (20.000), Espanha (12.500) Itália (10.000), Argentina (8.000), Luxemburgo (7.000), Escandinávia (7.000). Existe ainda um grande número de cabo-verdianos que não estão incluídos nas estatísticas, porque antes de 1975, os cabo-verdianos tinham passaportes portugueses.

Existem cerca de 3.000 imigrantes chineses e um número significativo de cidadãos da África  continental (dos quais cerca de 72% são da África Ocidental), e de europeus (cerca de 17%), do Norte da América e América do Sul. Estimou-se que haja 25.196 imigrantes a residir em Cabo Verde, dos quais 17.708 eram residentes legais.

Saúde
A taxa de mortalidade infantil em Cabo Verde é de 18,5 mortos por cada 1.000 nascidos vivos e a mortalidade materna é de 53,7 mortes em 100.000. A prevalência da SIDA é baixa, com cerca de 1.000 pacientes de HIV/SIDA segundo o relatório das Nações Unidas HIV/AIDS de 2013.
Com uma esperança média de vida de 75 anos, Cabo Verde (juntamente com a Tunísia e Líbia) tem a taxa mais elevada do continente (71 anos para os homens e 79 para as mulheres), segundo os dados de 2012. Existem seis hospitais regionais em cinco ilhas (Santiago com dois, São Vicente, São Antão, Fogo e Sal). Existem centros de saúde, centros de saneamento e diversas clínicas privadas ao longo do arquipélago.
A população de Cabo Verde está entre as mais saudáveis da África. Desde a sua independência que tem melhorado de forma significativa os seus indicadores de saúde.

Educação
Embora o sistema educacional de Cabo Verde seja semelhante ao de Portugal, com o passar dos anos muitas universidades têm vindo a adoptar o sistema americano. Cabo Verde tem o segundo melhor sistema educacional de África, atrás da África do Sul. A escola primária é obrigatória e gratuita para as crianças com as idades entre os 6 e os 14 anos. Em 2011, a taxa de escolarização na escola primária era de 85%. Cerca de 90% da população com mais de 15 anos é alfabetizado, e cerca de 25% da população tem um grau académico; 250 destas faculdades têm graus de doutoramento em diversos campos académicos. Foram feitos livros de texto para 90% das crianças escolares e 98% dos professores frequentam serviços de treino educativo. Apesar de a maioria das crianças terem acesso à educação, ainda permanecem alguns problemas, como não se gastar o suficiente em materiais escolares, lanches e livros. A média de anos passado a estudar para adultos com mais de 25 anos é de 12 anos.

Cultura

Os padrões culturais e sociais de Cabo Verde são semelhantes ao Portugal rural. Os jogos de futebol e as actividades religiosas são fontes típicas de interação social e entretenimento. O passeio tradicional na praça para conhecer amigos é praticado com regularidade nas cidades cabo-verdianas. Nas cidades com electricidade, a televisão está disponível em dois canais, o cabo-verdiano e o português.
A música de Cabo Verde incorpora influencias portuguesas, caribenas e brasileiras. A música nacional cabo verdiana por excelência é a morna, uma canção melancólica e lírica geralmente cantada em crioulo. O segundo tipo de música mais popular, a seguir à morna é a coladeira, seguida pela funaná e a batugue. Entre os cantores cabo verdianos mais conhecidos a nível internacional encontram-se Ildo Lobo, Nelson Freitas e Cesária Évora, que se tornou um ícone nacional. Entre outros artistas musicais encontram-se o pianista de jazz Horace Silver, o saxofonista Duke Ellington, entre outros.
As formas de dança incluem o estilo mais calmo da morna, o mais sensual da coladeira, a Funaná (mistura de dança portuguesa e africana) e a batugue.
A literatura cabo-verdiana é uma das mais ricas da África Lusófona. Poetas famosos incluem Paulino Vieira, Manuel de Novas, Sergio Frusoni, Eugénio Tavares e B. Léza, e autores famosos, Baltasar Lopes da Silva, António Aurélio Gonçalves, Manuel Lopes, Orlanda Amarilis, Henrique Teixeira de Sousa, Arménio Vieira.

Cozinha
A dieta cabo-verdiana é maioritariamente baseada em peixe e alimentos de primeira necessidade como milho e arroz. Os vegetais disponíveis ao longo do ano são batatas, cebolas, tomates, mandioca, couve e feijões secos. Frutas como bananas e papaias estão disponíveis durante todo o ano, enquanto que outras como as mangas e abacates são sazonais. Um prato popular servido em Cabo Verde é a Cachupa, um ensopado de cozedura lenta de milho, feijões, e peixe ou carne. Um aperitivo comum é o pastel que é uma concha de massa recheada com peixe ou carne e depois frito.



Bibliografia

http://en.wikipedia.org/wiki/Cape_Verde
https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/cv.html

Sem comentários:

Enviar um comentário

Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...