27/02/2016

A oração



"Que quer dizer a frase: orar a Deus?
Há ou não um infinito fora de nós? É ou não único, imanente, permanente, esse infinito, e que, se lhe faltasse a matéria, limitar-se-ia àquilo; necessariamente inteligente, pois que é infinito, e que, se lhe faltasse a inteligência, acabaria ali? Desperta ou não em nós esse infinito a ideia de essência, ao passo que nós não podemos atribuir a nós mesmos senão a ideia de existência? Por outras palavra, não é Ele o absoluto, cujo relativo somos nós?
Ao mesmo tempo que fora de nós há um infinito, não há outro dentro de nós? Esses dois infinitos (que horroroso plural!) não se sobrepõem um ao outro? Não é o segundo, para assim dizer, subjacente ao primeiro? Não é o seu espelho, o seu reflexo, o seu eco, um abismo concêntrico a outro abismo? Esse segundo infinito não é também inteligente? Não pensa? Não ama? Não tem vontade? Se os dois infinitos são inteligentes, cada um deles tem um princípio volante, há um eu no infinito de cima, do mesmo modo que o há no infinito de baixo. O eu de baixo é a alma; o eu de cima é Deus.
Pôr o infinito em contacto com o infinito de cima, por meio de pensamento, é o que se chama orar.
Não tiremos nada ao espírito humano; é mau suprimir. Devemos mas é reformar e transformar. Certas faculdades do homem dirigem-se para o incógnito, o pensamento, a meditação, a oração. O incógnito é um oceano. Que é a consciência? É a bússola do incógnito. O pensamento, a meditação, a oração são tudo grandes irradiações misteriosas. Respeitemo-las. Para onde vão essas majestosas irradiações da alma? Para a sombra, quer dizer, para a luz.
A grandeza da democracia consiste em não negar nem regenerar nada da humanidade. Ao pé do direito do homem, pelo menos ao lado, há o direito da alma.
A lei é esmagar os fanatismos e venerar o infinito. Não nos limitemos a prostrar-nos debaixo da árvore da criação e a contemplar os seus imensos ramos cheios de astros. Temos um dever: trabalhar para a alma humana, defender o mistério contra o milagre, adorar o incompreensível e rejeitar o absurdo, não admitindo em coisas inexplicáveis senão o necessário, tomando sã a crença, tirando as superstições de cima da religião, catando as lagartas de Deus."

Vitor Hugo, em Os Miseráveis


24/02/2016

Australopithecus garhi

Não existe muita informação acerca desta espécie de hominídeo. O pouco que se sabe acerca do Australopithecus garhi é com base no fóssil de um crânio, outros quatro fragmentos de crânio. Assim como também de  foi encontrado perto destes fragmentos, na mesma camada, um esqueleto incompleto que é geralmente incluído como fazendo parte da amostra do Australopithecus garhi. O esqueleto fragmentado associado à espécie mostra um fémur longo (mesmo comparado com outras espécies de Australopithecus), mas que apesar do seu comprimento, os braços seriam fortes. O que sugere que dava passos mais largos na marcha bípede.

A espécie viveu na África Oriental, no local de Bouri, no Awash Central, na Etiópia ( Depressão de Afar), há cerca de 2,5 milhões de anos atrás., durante o Plioceno, à beira de lagos e cercados por planícies.

A pequena quantidade de material existente permite apenas saber que viveu entre 3 a 2 milhões de anos atrás, o que faz com que os achados do Awash Central sejam de particular importância. Primeiro em 1990, depois de 1996 a 1998, uma equipa de investigadores liderada pelo paleantropólogo Tim White, descobriu a parte de um crânio, e outros restos de esqueletos de hominídeos datando de há 2,5 milhões de anos, próximo da cidade de Bouri, no rio Awash.

17/02/2016

O trabalho e o desenvolvimento humano


O desenvolvimento humano significa alargar as escolhas humanas atribuindo maior destaque à riqueza da vida humana e não simplesmente à riqueza das economias. 



O trabalho é fundamental neste processo, na medida em que mobiliza, de formas diferentes, pessoas de todo o mundo e ocupa uma parte importante das suas vidas. Dos 7,3 mil milhões de pessoas de todo o mundo, 3,2 mil milhões têm emprego, outras dedicam-se ao trabalho de prestação de cuidados, a trabalho criativo, a trabalho voluntário ou a outros tipos de trabalho, ou ainda à sua preparação enquanto futuros trabalhadores. Alguns tipos de trabalho contribuem para o desenvolvimento humano, outros não e há, ainda, certos tipos de trabalho que prejudicam o desenvolvimento humano. 

16/02/2016

Australopithecus afarensis

Criança afarensis
O Australopithecus afarensis, cujo nome tem origem no local onde foi encontrado, na Depressão de Afar, é uma das espécies de hominídeos iniciais com um dos períodos mais longos de existência, assim como uma das mais conhecidas, tendo os paleontropólogos encontrado os restos de mais de 300 indivíduos. Viveram entre 3,85 a 2,95 milhões de anos atrás, durante o Plioceno, na África do Leste (Etiópia, Quénia, Tanzânia). Esta espécie sobreviveu durante mais de 900.000 anos, o que é cerca de quatro vezes mais do que o tempo da nossa própria espécie, mostrando que foi uma espécie de grande sucesso e adaptabilidade ao meio que a rodeava.
Conhece-se o Aust. afarensis  a partir dos locais da Hadar, na Etiópia ("Lucy" a a "Primeira Família"), Dikika (o esqueleto da "criança" de Dikika) e em Laetoli (fósseis desta espécie assim como o rasto de pegadas bipedes mais antigas de que se tem conhecimento).
Semelhantemente aos chimpanzés, as crianças do Australopithecus afarensis cresciam de forma rápida após o nascimento e chegavam à fase adulta mais cedo do que os humanos modernos. Isto significava que o Austr. afarensis tinha um período de crescimento mais curto do que os humanos modernos têm atualmente, deixando-lhes menos tempo para a orientação parental e socialização durante a infância.

11/02/2016

Desenvolvimento Humano em 2014 (IDH)

A 14 de Dezembro de 2015 foi publicado os dados relativos ao Desenvolvimento Humano de 2014. Fazendo a comparação com os dados demonstrativos do ano 2013 poderão-se verificar, assim de relance,  que houve algumas melhorias, na América do Sul (Brasil e Venezuela). 
Já África é um caso de algumas subidas (ainda que não mostre resultados positivos, como é o caso da República Democrática do Congo, Moçambique, Burkina Faso, Guiné, mas também de descidas como é exemplo a Líbia. 
Também a Ásia mostrou algumas melhorias, como é o caso da Mongólia, do Irão, mas também de algumas quedas, caso da Coreia do Norte e da Síria. 
A América do Norte e Oceânia apresentam resultados semelhantes nos dois anos em questão e na Europa os países do Norte, designadamente o Reino Unido e a Suécia, pode-se verificar uma melhoria.
Haverão outros países em que haverá subidas e descidas (mesmo dentro do mesmo nível) mas que não é possível percepcionar nestes mapas, e que os dados das listas darão uma visão mais pormenorizada. Mas, em geral, o resultado parece ter sido positivo, principalmente se se tiver em conta a crise económica e monetária (e política) à qual nos últimos anos o Hemisfério Norte tem tentado sobreviver,  à pressão que a guerra no Norte de África tem exercido sobre as populações sobre os países diretamente atingidos, assim como a uma Europa que se encontra perante um desafio aos seus próprios princípios democráticos e humanitários.


Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...