01/12/2015

Oceano


Oceano (/ oʊsiːənəs /; grego: Ὠκεανός Okeanos], pronunciado [ɔːkeanós]) era uma figura divina da antiguidade clássica protogena (divindade primeva), acreditada pelos antigos gregos e romanos de ser a personificação divina do mar, um enorme rio que circundava o mundo, a fonte de toda a água potável, incluindo rios, poços, nascentes e nuvens, titã, filho de Gaia e Urano.
Oceano era igualmente a divindade que regulava o nascer e pôr dos corpos celestes que se acreditava surgirem e descerem ao seu reino aquático, nas extremidades da Terra.
Nos mosaicos helénicos e romanos, o titã era representado frequentemente como tendo a parte superior de um homem forte, com uma longa barba e chifres (muitas vezes representados como as garras de um caranguejo) e a parte inferior do corpo como uma serpente. Num fragmento de um vaso arcaico de cerca de 580 a.C., entre os deuses que chegavam ao casamento de Peleu com a ninfa Tétis, está representado com um rabo de peixe, carregando um peixe numa mão e uma serpente noutra, os dons da recompensa e profecia.
Alguns académicos acreditam que Oceano representava originalmente os corpos de água salgada, incluindo o Mar Mediterrânico e o Oceano Atlântico, os dois maiores corpos conhecidos então, pelos gregos antigos.
No entanto, como a geografia se tornou mais precisa, Oceano veio a representar o estranho, as águas desconhecidas do Oceano Atlântico (também chamado de "Mar Oceano"), enquanto que o recém-chegado, Poseidon, governou sobre o Mediterrâneo.
Casou-se com a irmã, a Titanide Tétis (não confundir com a ninfa Tétis, mencionada acima), e da união de ambos nasceram as ninfas oceanicas, também conhecidas como as três mil Oceanides e os Potamoi, ou deuses-rio. Acreditava-se que seria Tétis, a enfermeira, que distribuía a água do marido para a terra através de cavernas subterrâneas.
Contrariamente aos seus irmãos titãs, Oceano não participou nem na castração de Urano nem se juntou à batalha contra os jovens deuses olímpicos. Era, provavelmente, idêntico a Ófion, um titã dos mitos órficos, que governou o céu brevemente, antes de ser atirado e fundido na corrente Oceano por Cronos.


Casou-se com a irmã, a Titânide Tétis (não confundir com a ninfa Tétis, mencionada acima), e da união de ambos nasceram as ninfas oceanicas, também conhecidas como as três mil Oceanides e os Potamoi, ou deuses-rio. Acreditava-se que seria Tétis, a enfermeira, que distribuia a água do marido para a terra através de cavernas subterrâneas.
Contrariamente aos seus irmãos titãs, Oceano não participou nem na castração de Urano nem se juntou à batalha contra os jovens deuses olímpicos. Era, provavelmente, idêntico a Ófion, um titã dos mitos órficos, que governou o céu brevemente, antes de ser atirado e fundido na corrente Oceano por Cronos.

Na literatura antiga e lendas

Este excerto fala do papel de Oceano na Titanomaquia:
Após o primeiro Dioniso [Zagreus] ter sido chacinado, o Pai Zeus... atacou a mãe dos titãs [Gaia, a Terra] com marca vingadora, e calou os assassinos de Dioniso cornudo [os titãs desmembraram o divino Zagreus] dentro dos portões do Tártaro [após uma longa guerra]: as árvores brilhavam, o cabelo da sofredora Gaia foi queimado com calor... Agora Oceano derramou rios de lágrimas de seus olhos lacrimejantes, uma libação de oração suplicante. Então Zeus reclamou a sua ira com a visão da terra queimada; tinha pena dela, e desejou lavar com água as cinzas da ruína e as feridas do fogo da terra. Então o Zeus das Chuvas cobriu o céu inteiro com nuvens e inundou toda a Terra [no Grande Dilúvio de Deucalião].
        - Nonnus, Dionisíaca 6

Na Iliada, a iconografia rica do escudo de Aquiles, feita por Hefesto, está fechada por Oceano, como se acreditava então ser o mundo:
        Então correndo em volta do aro protetor, de tripla dobra
        Ele retratou toda a força do poderoso Oceano.

Quando Ulisses e Nestor caminhavam ao longo da costa do mar, e enviam as suas orações, "ao grande deus do Mar que guarda o mundo", é a Oceano que os seus pensamentos são dirigidos.
Oceano figura como pai dos rios e córregos quando invocado pelos poetas, sendo assim, o progenitor dos deuses dos rios.
Esta divindade tem apenas uma aparição num mito, que se saiba, como representante do mundo arcaico, que Heracles ameaçou e derrotou. Heracles forçou Hélios a emprestar-lhe a sua  taça de ouro, a fim de atravessar a vasta extensão de Oceano na sua viagem às Hespérides. Quando Oceano atira a taça, Herácles ameaça-o e acalma as ondas. A viagem de Herácles na taça do sol sobre Oceano, tonou-se um dos motivos favoritos entre os pintores de cerâmica ática.

Na cosmografia

Oceano aparece na cosmografia helénica, assim como em mitos. Os cartógrafos continuaram a representar a corrente equatorial tal como tinha aparecido no escudo de Aquiles.
Embora Heródoto estivesse céptico quanto à existência física de Oceano, rejeitou o degelo como a causa principal das cheias anuais do rio ilo; de acordo com o seu tradutor e intérprete, Livio Catullo Stechini, Heródoto deixou a questão em aberto acerca do Nilo equatorial, uma vez que a geografia da África sub-saariana era-lhe desconhecida.
Apolónio de Rodes designa o baixo Danúbio de Keras Okeanos (Golfo ou Corno de Oceano) na Argonautica.
Tanto Homero (na Odisseia) quanto Hesíodo (na Teogonia) referem-se a Okeanos Potamos, "Corrente Oceano".
Hecataeus de Abdera escreve que o Oceano dos Hiperboreanos não é nem o Oceano Ártico nem o Oceano Ocidental, mas o mar localizado ao norte do mundo grego antigo, chamado de "o mais admirável de todos os mares" por Heródoto, de "imenso mar" por Pomponius Mela e por Dionísio Periegetes, e que é chamado Mare Majus nos mapas geográficos medievais.
No final do Okeanos Potamos encontra-se a ilha de Elba, sagrada para o Pelasgo Apolo, saudando o sol que nasce no leste. Hecataeus de Abdera refere-se à ilha de Apolo, da região dos Hiperboreanos, no Oceano.




Fontes
http://en.wikipedia.org/wiki/Oceanus
www.theoi.com/Titan/TitanOkeanos.html


Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...