03/12/2015

Mitologia Nórdica

A mitologia nórdica inclui as mitologias germânicas, vikings e Escandinavas
São um conjunto mitológico pré-cristão, mas com continuação durante a era do cristianismo através do folclore Escandinavo, assente em crenças e lendas dos povos escandinavos, incluindo os povos que se estabeleceram na Islândia. É de referir que foi na Islândia que se fizeram a maior parte dos registos, uma vez que estes mitos eram passados oralmente, através dos Edda, embora haja outras obras que são de se referir como o Gesta Danorum ou a Saga de Valsunga. No entanto, encontram-se outras fontes de antes e após o período paganista, sejam manuscritos medievais, representações arqueológicas ou tradições folclóricas, mantendo-se ainda, algumas tradições, principalmente nas zonas rurais da Escandinávia. 

É  na Islândia que há a versão mais bem conhecida da mitologia germânica antiga e que inclui fontes da
mitologia anglo-saxã. Tendo a mitologia nórdica, sido transmitida aquando da  Era Viking, e os conhecimentos que se têm vêm principalmente dos Eddas e outros textos medievais escritos pouco depois da cristianização.
São mencionados diversos deuses nas fontes escritas, como por exemplo o manejador do martelo e protetor da Humanidade, o deus Thor, que persegue impiedosamente os seus inimigos; o deus Odin, tendo só um olho e o corvo no ombro, que procura o conhecimento através dos mundos e que deu à Humanidade o alfabeto rúnico; a linda e mágica deusa Freyja, portadora de uma capa de penas, que cavalga entre as batalhas escolhendo de entre os guerreiros caídos, os melhores; a vingativa e esquiva deusa Skade, que prefere os uivos dos lobos das montanhas de Inverno, à costa; o poderoso Njörðr, que consegue acalmar tanto o mar como o fogo e conceder prosperidade e terra; o deus Freyr, cuja associação ao tempo e à agricultura trazem paz e prazer à humanidade; a deusa  Iðunn, guardadora das maçãs que concedem a juventude eterna; o misterioso deus Heimdallr, que nasceu de nove mães e que consegue ouvir a erva a crescer, tem dentes de ouro e possui um chifre retumbante; o semi-deus Loki, que trouxe a tragédia entre os deuses quando causou a morte ao filho da deusa Frigg, o belo Baldr; e muitos outros...
A maior parte da mitologia que sobreviveu, centra-se nos apuros dos deuses e nas suas relações com os outros seres, seja com humanos ou com os jötnar; alguns são amigos, outros amantes, inimigos ou mesmo, membros da família.
Nesta mitologia a família é o centro da comunidade e está estreitamente relacionada com a fertilidade,
talvez tentando contrariar  a mortalidade inevitável de uma sociedade bélica, rural e centrada em si mesma. Desta forma era uma religião baseada essencialmente em rituais e festividades.
São contadas diversas versões do mito da criação, onde o mundo terá sido criado através do ser primordial, Ymir, e os dois primeiros humanos são Ask e Embla.
 O cosmos, na mitologia nórdica, consiste em Nove Mundos, que flanqueiam a grande árvore central, Yggdrasil.:
  • Ásgarðr (Asgard)- O mundo dos deuses
  • Miðgarðr (Midgard)- O mundo dos humanos
  • Jötunheimr (Jotunheim)- O mundo dos gigantes
  • Vanaheimr (Vanaheim)- O mundo dos Vanir
  • Álflheimr (Alfheim)- O mundo dos elfos
  • Muspellheimr (Musphelhein)- O mundo do fogo 
  • Svartalfaheimr (Svartalfheim)- O mundo dos elfos escuros
  • Nidavellir- O mundo dos anões 
  • Niflheim (Niflheim)- O mundo do gelo
No entanto, há outros a serem considerados, como Hel, que vários autores consideram um palácio localizado em Niflheim.

Diz-se que estes mundos irão renascer após o Ragnorök, uma imensa batalha entre os deuses e os seus inimigos, durante o qual o mundo será envolvido em chamas, renascendo depois. Nessa altura, os deuses sobreviventes irão conhecer-se e a terra será verde e fértil; e dois humanos irão repovoar Midgard.
As unidades do tempo e os elementos da cosmologia estão personificados como divindades ou seres.
A mitologia nórdica tem sido debatida por estudiosos, desde o século XVII, quando alguns textos chave foram trazidos à atenção dos grupos intelectuais da Europa. Através da mitologia comparativa e da linguística histórica, os académicos têm identificado elementos na mitologia germânica que recuam até à época proto-Indo-Europeia.
No período moderno, o renascimento do Romantismo Viking, reacendeu o interesse e podem ser encontradas referências da mitologia nórdica na cultura popular moderna, mantendo-se como uma inspiração para a literatura, cinema, teatro, musica e pintura.
Os mitos também tiveram um renascimento num contexto religioso, entre os aderentes do Neopaganismo Germanico.






Fonte: wikipédia

Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...