01/12/2015

Febe

Na mitologia grega, Febe "radiante, brilhante, profética" (/Fibi/; grega: Φοίβη Phoibe), foi uma das titânides originais, filha de Úrano e Gaia. Estava, tradicionalmente, é muitas vezes confundida com a sua sobrinha Selene, deusa da lua, como em Endimião e Febe de Michael Drayton (1595), o primeiro tratado prolongado do mito Endimião na lingua inglesa. O seu consorte era o irmão Céos, com quem teve dois filhos, Leto que gerou os gémeos Apolo e Artemisa, e Astéria, uma deusa-estrela que que à luz uma única filha, Hecate. Dado o significado do seu nome e a sua associação com o oráculo de Delfos, febe foi provavelmente vista como a deusa titânide da profecia e do intelecto oracular.

De acordo com um discurso que Ésquilo, em Eumenides, segundo a própria sacerdotisa de Delfos, esta recebeu o controle do Oráculo de Delfos através de Témis. De acordo com D.S. Robertson, a sucessão de Febe no Oráculo de Delfos parece ser uma invenção de Ésquilo, uma vez que houve três atribuições de poderes no Oráculo, que correspondem às três gerações de deuses: Úrano, como era conveniente, deu o Oráculo à esposa Gaia e Cronos apropriou-se deste e ofereceu-o à sua irmã Témis.

Ainda segundo Ésquilo, esta veio a oferecer o Oráculo ao neto Apolo como presente de aniversário. Devido a esta ligação com a profecia, apesar de ser brilhante, era considerada uma deusa de mistérios e segredos.

Era representada como uma bela mulher com os seios nus, voando pelo céu e levando numa das mãos um cântaro de prata.




Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...