25/11/2015

Proteínas

As proteínas formadas por uma única cadeia polipeptídica denominam-se monoméricas e quando assumem uma estrutura terciária passam a ter actividade biológica.

As proteínas oligoméricas são constituídas por subunidades e só têm actividade biológica quando assumem uma estrutura quaternária. 

A estrutura de uma proteína isolada ou numa célula viva é denominada de conformação ou estado nativo. Desta forma, as proteínas monoméricas encontram-se no estado nativo quando assumem a estrutura terciária e as oligoméricas quando no estado quaternário.

Não é fácil classificar as proteínas, devido à variação das propriedades físico químicas e múltiplas funções destas. A classificação mais antiga separa as proteínas em globulares e fibrosas: 


  • As proteínas globulares são relativamente simétricas e, por terem grupos polaresà superfície, são solúveis e água, soluções salinas diluídas e fluídos biológico, caso das proteínas do plasma (excepto o fibrinogénio) e a maioria das enzimas. 
  • As proteínas fibrosas detêm cadeias polipeptídicas longas, assiméticas, insolúveis em água, soluções salinas diluídas e fluidos biológicos. Têm uma função estrutural e podem estar arranjadas em cadeias polipeptídics estendidas, fibras, ou, ainda, em subunidades globulares arranjadas helicoidalmente. 
Poderão igualmente ser classificadas em simples e conjugadas, em função da sua composição:
  • As simples são compostas por aminoácidos.
  • As conjugadas são formadas por aminoácidos (apoproteína) e grupos de natureza não proteica (grupo prostético) ligados covalentemente ou não à apoproteína.
Os grupos prostéticos e as –S-S- influenciam a forma e a estabilidade das proteínas. As pontes dissulfureto (-S-S-), intracadeias ou intercadeias, resistem a condições extremas do meio (calor, ácidos) e são importantes na estabilização e conformação das proteínas extracelulares, em particular as proteínas plasmáticas, possuem muitas – S-S- que ajudam a estabilizar a estrutura e a preservar a função, em virtude da exposição a potenciais toxinas e a maiores tensões de oxigénio no sistema circulatório. As proteínas intracelulares contêm, geralmente, poucas –S-Sporque a concentração do glutatião é elevada no interior da célula.

As proteínas são as únicas macromoléculas que têm a capacidade de reconhecer especificamente e interagir de uma maneira controlada com biomoléculas e, assim, iniciam a função biológica.

A maioria das enzimas intracelulares são proteínas oligoméricas, e, além do local activo, possuem locais reguladores ou alostéricos, aos quais se podem ligar compostos estruturalmente não relacionados com o local activo. Desta forma quando um mensageiro (hormona) se liga aos locais alostéricos, ocorrem alterações na conformação, que se propagam para um local distante e modificam a relação geométrica dos resíduos no local activo e, consequentemente, alteram a actividade catalítica. O controlo alostéreo, mediado por alterações na conformação, é fundamental para a regulação celular.



Fonte
Bioquímica, coordenação Manuel Júdice Halpern, Lídel – Edições Técnicas, Outubro 1997 

Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...