30/11/2015

Eneias

Este príncipe troiano era filho de Anquises, primo do rei Príamo, e da deusa Afrodite. Depois do nascimento, a mãe confiou-o às ninfas e ao centauro Quíron, com os quais viveu até aos cinco anos. Sensato e perspicaz, previu as consequências funestas do rapto de Helea. Valente, combateu corajosamente nas fileiras troianas, mas ficou a dever a vida às intervenções divinas de Apolo, de Poseidon e da sua mãe. Quando a cidade de Tróia caiu às mãos dos Aqueus, conseguiu fugir, levando o pai sobre os ombros e o filho, Ascânio, agarrado pela mão. Refugiado no monte Ida, manda construir embarcações e fez-se ao mar com os seus fiéis, pois os deuses ordenaram-lhe que erguesse uma nova Tróia em Itália.


Após muitos anos de viagem, uma terrível tempestade atira-o para a costa de Cartago, onde recebe a hospitalidade da rainha Dido, que se apaixona por ele. Não obstante os sentimentos que lhe dedicava, teve que partir de novo, levando a rainha ao suicídio.
Eneias acaba por lançar ferro perto da foz do Tibre, e, acolhido pelo rei Latino, casa com a filha deste, Lavínia.
Quando por sua vez, se torna rei, o seu sucessor é o seu filho Ascânio (Iulo, na tradição latina), cujos descendentes, na décima segunda geração, teriam sido - de acordo com a Eneida, do poeta Virgílio - Remo e seu irmão, Rómulo, fundador de Roma.

Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...