27/04/2015

A enchente do Mar Mediterrâneo

O Mar Mediterrâneo, tal como o conhecemos, formou-se há cerca de 5,3 milhões de anos atrás quando as águas do Oceano Atlântico romperam o estreito de Gibraltar, enviando uma cheia massiva para a bacia mediterrânica.



Durante o início do período da crise de salinidade messiana (há cerca de 6 milhões de anos) um bocado da litosfera desprendeu-se da Ibéria (segundo proposta de Garcia-Castellanos y Villaseñor, Nature, 2011) e afundou-se no manto terrestre, o que provocou um levantamento do sul da Ibéria, fechando a ligação entre
o Oceano Atlântico e o Mar Mediterrâneo. Uma vez fechado, o clima árido e quente da região, provocou um rápido declínio do nível das águas mediterrânicas, que chegaram a ter um quilómetro, em que 3/4 das águas do mediterrâneo se evaporaram.
Mas um movimento posterior das placas tectónicas fez com que o solo ao redor do Estreito de Gibraltar diminuísse, provavelmente abatendo o istmo que ligava África à Europa, o que permitiu que as águas do Oceano Atlântico abrissem caminho para a bacia do Mediterrâneo.
Inicialmente, segundo o estudo de Daniel Garcia-Castellanos (Nature,2009), a água fluíu lentamente durante um período que levou milhares de anos, mas o seu final abrupto, que encheu cerca de 90% do Mar Mediterrâneo, deu-se num curto espaço que foi de meses a dois anos, com um fluxo que chegou a ser mil vezes superior ao do atual rio Amazonas.
O desnível entre o Oceano Atlântic e o Mar Mediterrâneo era de uma média de 1500 metros e na fase final
da enchente (dos 90%), o Mediterrâneo enchia-se a um ritmo de cerca de 10 metros por dia. Este fluxo acabou por criar no fundo marinho uma erosão de 200 quilómetros de comprimento com vários de largura.
Do outro lado, calcula-se que o Oceano atlântico terá tido uma descida de 9,5 metros no seu nível.
Esta foi a maior e mais violenta inundação, que se saiba, que a Terra conheceu.






Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...