08/01/2015

Caminhos-de-Ferro da Morte


«Espero  que se trate de um registo verídico», escreveu Dunlop, acerca da obra de Parkin, «do modo como o espiríto humano consegue erguer-se acima da vacuidade, do nada e do desespero, porque realmente nós tinhamos sido deixados sem nada».
Prisioneiros aguardando por assistência médica, por Ray Parkin

As viagens por mar dos prisioneiros. Por Ray Parkin

Um templo na selva Tamil, Hintok River, por Ray Parkin. Cerca de 90.000
rǒmusha morreram na construção dos caminhos de ferro Thai-Burma.


































Os Caminhos-de-Ferro da Birmânia, também conhecidos como os Caminhos-de-Ferro da Morte, Estrada de Ferro Thai-Burma, é uma ferrovia de 415 km de extensão entre Bangkok, Tailândia e Rangum, Birmânia (atual Myanmar), construída pelo Império do Japão durante a Segunda Guerra Mundial, para dar suporte às suas tropas na Campanha da Birmânia.

Foram usados os trabalhos forçados de cerca de 180.000 trabalhadores asiáticos e 100.000 prisioneiros de guerra Aliados na construção dos caminhos de ferro. Destes, cerca de 90.000 asiáticos e 16.000 prisioneiros de guerra morreram como resultado direto do projeto. 





Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ferrovia_da_Birm%C3%A2nia
http://hellfire-pass.commemoration.gov.au/
A Segunda Guerra Mundial, de Martin Gilbert



Sem comentários:

Enviar um comentário

Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...