28/02/2014

Amelie - Eternamente

Há filmes que nos marcam, e este foi um deles... se me perguntarem a razão, talvez já não saiba responder com toda a certeza... mas continuo a ser uma apaixonada pela Amelie.
Um filme que ainda hoje adoro, e devo dizer as músicas de Yann Tiersen em muito contribuem para isso, que me fazem vibrar e com uma vontade danada de dançar.


27/02/2014

Verdades sobre o mundo

Irei transcrever um trecho de o Crepúsculo dos Idolos de Friedrich Nietzsche (um livro que me ofereceram pelo aniversário e que estou a adorar), sobre a visão do filósofo acerca do «Verdadeiro Mundo».


Vão ter de me perdoar, pois sou uma apaixonada por Nietzsche, e acabo sempre a passar bons momentos a ler os seus dizeres tão verdadeiros, mas que poucos conseguem admitir (será que por isso mesmo?)


COMO O «VERDADEIRO MUNDO» ACABOU POR SE TORNAR FÁBULA

História de um erro

1. O mundo verdadeiro, acessível ao sábio, ao piedoso, ao virtuoso; este vive nele, é ele.
    (Forma mais velha da ideia, relativamente inteligente, simples, convincente. Transcrição da frase «Eu, Platão, sou a verdade».)

2. O mundo verdadeiro, inacessível por agora, mas prometido ao sábio, ao piedoso, ao virtuoso («ao pecador que faz penitência»).
    (Desenvolvimento da ideia: torna-se mais subtil, mais insidiosa, inapreensível - torna-se mulher, torna-se cristã...)

3. O mundo verdadeiro, inacessível, indemonstrável, mas já pensado como uma consolação, um dever, um imperativo.
    (No fundo, o velho sol, mas dissimulado pela névoa e pelo cepticismo; a ideia tornou-se sublime, pálida, nórdica regiomontana.)


4. O mundo verdadeiro - inatingível? De qualquer modo, não alcançado. E enquanto não alcançado também desconhecido. Por conseguinte, nem sequer consolador, salvador, imperativo: como é que algo de desconhecido poderia obrigar?...
    (Manhã cinzenta. Primeiro bocejo da razão. Canto de galo do positivismo.)

5. O «mundo verdadeiro» - uma ideia que já não é útil para nada, e também já não imperativa - uma ideia que se tornou supérflua, prescindível; por conseguinte, uma ideia refutada: toca a eliminá-la!
    (Dia claro; pequeno almoço; retorno do bon sens e da serenidade; rubor de Platão; alvoroço endiabrado de todos os espíritos livres.)

6. O mundo verdadeiro foi por nós destruído: que mundo resta? talvez o aparente?... Mas não! Com o mundo verdadeiro destruímos igualmente o aparente!
    (Meio-dia; momento da sombra mais curta; fim do mais longo erro; culminação da humanidade; INCIPIT ZARATHUSTRA.)

Desejo

«O condenado à morte deixou transparecer uma alegria comovida ao saber do indulto. Mas ao cabo de algum tempo, acentuando-se as melhora...